Forças de apoio do Mundial Militar: aqueles que fazem acontecer

By 12 nov 2017Notícias

Rio de Janeiro, Brasil, 12/11/2017 – Uma cena comum neste 2º Campeonato Mundial Militar de Vôlei de Praia é a de jovens uniformizados com a camisa amarela do evento circulando entre as quadras. Foi assim no Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx) e mais uma vez a cena se repete no Parque Olímpico. Eles são os primeiros a chegar e os últimos a irem embora. E é graças a eles que o evento se mantém em movimento. Eles são a força de trabalho do campeonato.

Responsável por gerenciar a força de trabalho, Cap Galvão tem ampla experiência em organização de eventos esportivos: no currículo se destaca a coordenação das quadras de vôlei de praia dos Jogos Olímpicos Rio 2016 em Copacabana. Para este Mundial ele convocou os soldados do CCFEx: ao todo são 35 soldados e 12 oficiais da Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx) chamados para fazer parte do grande evento como ajudantes de quadra, coordenadores de resultados e responsáveis pelas áreas de convidados, arbitragem e atletas.

Sete boleiros e quatro niveladores de areia fazem rodízio entre a quadra de jogo e a de aquecimento. O soldado Felipe Silva é um dos que ficam dentro do campo de jogo. “A competição é interessante porque pessoas de fora vêm prestigiar o campeonato e o Brasil”, disse. O jovem militar também disse estar feliz por ter a oportunidade de conhecer novas pessoas e oficiais militares de outros países.

Na coordenação de resultados, elaboração de boletins e atualizações no aplicativo do campeonato, junto com mais dois colegas, está Leonardo Guimarães. “O trabalho está sendo legal porque somos atletas de vôlei e acompanhamos o esporte, trabalhamos com o que gostamos e estamos aprendendo mais sobre a organização de grandes eventos”, destacou.

A eficiência, atitude e excelência dos envolvidos se vê refletida num evento memorável para todos os atletas, comissões técnicas, público e convidados.

Fotos: Jorge Rodrigues